6 PASSOS PARA UMA MELHOR COMUNICAÇÃO

Artigos

6 PASSOS PARA UMA MELHOR COMUNICAÇÃO

Você sabe se comunicar? Já perdeu oportunidades de negócio ou foi mal em entrevistas de trabalho por não ter conseguido se expressar de forma adequada?

Essas situações são muito comuns no meio corporativo, porém, com dedicação, esforço e foco é possível revertê-las.

Comunicação assertiva é uma característica mandatória para as empresas (e não importa o tamanho ou segmento), como é também uma das competências mais solicitadas em processos de recrutamento e seleção.

Em cenários de mudança e crise, que são constante em nosso dia a dia, comunicar-se assertivamente te coloca num patamar superior aos demais, além de possibilitar  mais rapidez no caminho, pois comunicando-se adequadamente você evita retrabalho e hoje uma queixa constante é a falta de tempo.

Mas afinal, o que comunicar-se assertivamente?

Se você buscar no dicionário encontrará:

COMUNICAÇÃO:

ação de transmitir uma mensagem e, eventualmente, receber outra mensagem como resposta.

ASSERTIVIDADE:

firmeza e segurança

Então, podemos afirmar, que COMUNICAÇÃO ASSERTIVA é o ato de transmitir ideias de forma clara e objetiva, levando em consideração a pessoa e o ambiente que está inserida.

É claro que é um grande desafio, principalmente devido a pluralidade de  pessoas e situações que nos deparamos diariamente, porém, existem algumas ações que podem te ajudar nesse processo. Vamos conheça-las?

  1. Ter clareza do que se quer comunicar

Já ouviu dizer que contra fatos não há argumentos? Essa é uma frase bastante antiga e verdadeira, porém, na prática muitas vezes ignorada.

É necessário nos preocuparmos constantemente com o ato de comunicar e entender se a sua fala reflete um fato. Não existe problema de você expressar o que pensa, porém, ela é somente a SUA opinião e quando falamos de fato, esse provavelmente foi negociado no início da relação e vale para todos os envolvidos, assim, não tem como questioná-lo.

Dessa forma, saímos do subjetivo para o concreto diminuindo consideravelmente os ruídos na comunicação.

  1. Conheça com quem você vai se comunicar

Nos relacionamos com diversas pessoas em nossa dia a dia e é bem provável que elas se aproximem devido interesses comuns, formando dentro das empresas as famosas tribos. Além disso, precisamos levar em consideração também as diferenças de gerações, credos, religiões, entre outras coisas.

Tendo consciência dessas características, conseguimos estabelecer a forma adequada de comunicar os fatos que vimos no item acima.

É importante lembrar aqui, que a responsabilidade de ter uma comunicação adequada é de quem transmite a ideia e não de quem a recebe. Nesse contexto, a responsabilidade é de quem fala, ou seja, VOCÊ.

Albert Einstein disse certa vez:

Há uma força motriz mais poderosa que o vapor, a eletricidade e a energia atômica: a VONTADE

E essa vontade faz toda diferença quando falamos de uma comunicação efetiva, pois é ela quem dará tom de posicionamento de todos os grupos em que estiver inserido.

  1. Ter empatia

Com certeza você já deve ter ouvido algumas definições em relação a essa palavra e me atrevo a dizer que a mais comum é: “a capacidade de se colocar no lugar do outro”.

Essa é uma das características mais demandas em momentos de mudança e crise. Já falamos que você é o responsável por garantir o entendimento do outro e agora avançamos mais uma etapa. Você também é o responsável por garantir que essa pessoa não seja exposta a situações de constrangimento por exemplo, se o que for comunicar não for agradável.

Muitas vezes devido as pressões sofridas, pelo estresse do dia a dia, não nos preocupamos com o que  e como falamos e percebemos tempo depois as consequências causadas. Nesse momento, é muito importante ativarmos a nossa inteligência emocional para nos centramos e não despejar no outro frustrações e angústias que são nossas. Afinal, se a situação fosse contraria, você gostaria?

Ter empatia, extrapola qualquer relação comercial que possamos ter, seja ela de empregador, funcionário, parceiros. Estamos falando de ser humano, ok.

Martin Luther King disse certa vez:

Basta dar o primeiro passo e o restante do caminho vai surgindo enquanto você caminha.

Então, vamos dar o primeiro passo juntos?

Prestar atenção nas expressões da pessoa

Peter Drucker disse certa vez:

O mais importante na comunicação é ouvir o que não foi dito.

Nos comunicamos de várias formas, a verbal é apenas mais uma. Se você parar para observar o comportamento das pessoas, perceberá que nos comunicamos constantemente e de formas diferentes. O nosso corpo é uma fonte inesgotável nesse processo, porém, muitas vezes não nos atentamos a ele e deixamos passar informações de alta relevância para o cenário em questão.

No momento de comunicar algo, você precisa estar com todos os seus sentidos em alerta para não perder nenhuma informação. Olhar a expressão facial e corporal poderá te dar fortes indícios de que o que você comunicou não foi entendido/compreendido ou não aceito.

  1. Saiba ouvir

Esse é um aprendizado que precisamos exercitar todos os dias de nossa existência. É fato que na correria do mundo corporativo o nosso tempo é tomado por vários acontecimentos e, por vezes fazemos várias coisas ao mesmo tempo, porém, é um grande erro não ouvir.

Se você é líder, ouvir os seus colaboradores poderá te ajudar  a mudar a rota e traçar um plano de ação mais adequado a necessidades da empresa e clientes. Se você é colaborador, ouvir, te ajudará a nortear os seus esforços em ações que te farão  alcançar mais rápido os seus objetivos e se você é somente “pessoa”, ouvir te ajudará a melhorar as suas relações, sejam elas com quem forem.

Então, falem, mas escutem com o coração aberto, pois cada tem um ponto de vista e ninguém garante que você sempre estará com a razão, certo?

Abilio Diniz disse certa vez:

Eu quero hoje ser melhor do que ontem e amanhã melhor do que hoje; nunca estarei satisfeito, sempre em busca de evolução.

E então, vamos evoluir?

  1. Cuidado para não gerar conflitos desnecessários

Autoconhecimento é algo que precisamos praticar todos os dias, pois, vivemos em constante evolução.

O autoconhecimento nos possibilita ver situações no processo comunicacional com clareza, além de termos recursos para entender que verdades absolutas não existem.

Marshall Rosenberg é um grande estudioso do processo de comunicação não violenta e ele traz 4 passos que nos norteiam nesse processo:

  1. Observação: fale de fatos (observe e descreva-os), sem julgamento ou avaliação;
  2. Sentimentos: identifique e expresse os seus sentimentos, como: frustação, raiva, angústia em relação ao fato citado acima;
  3. Necessidade: expresse as suas necessidades. Lembre-se que aqui estamos focado no problema em questão e não em nossos desejos pessoais.
  4. Pedido: formule um pedido de ação para que possa resolver o problema atual. Se você conseguir também participar dessa solução, a probabilidade de ter mais engajamento do outro aumenta consideravelmente.

Enfim, comunicar-se assertivamente é um processo de constante evolução e que requer muito trabalho, paciência e principalmente vontade. Porém, todo esse processo traz resultados positivos para qualquer tipo de relação.

Bernardinho disse:

Não devemos nos orgulhar de ser melhores do que os outros, mas, sim, melhores do que já fomos.

Gostou do nosso conteúdo? Conhecer mais sobre comunicação assertiva te ajudou a fazer mudanças em seu dia a dia? Então, continue conosco e conheça os “DESAFIOS NO PROCESSO SELETIVO EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS”